Queridos amigos

Uma vez mais de Terra Lusa, segue um “doce” para os amantes de miniaturas. Desta vez e, uma vez mais, com a colaboração do amigo Álvaro Silva. Tal como o nome indica foram feitos belos modelos a toda a “Vitesse”.

Nada melhor do que ser ele próprio a contar-nos como tudo aconteceu… 

VITESSE

Fabricar miniaturas aos milhões com qualidade, não é tarefa fácil. Mas a Vitesse superou a prova, transformando essas miniaturas em futuros clássicos, à escala.

Não será de espantar que daqui a alguns anos, ao entrarem numa livraria encontrem nos escaparates um livro de miniaturas da Vitesse, com todas as variantes de cores, séries limitadas, promocionais, cotações, etç…. Possivelmente não será na nossa língua materna, devido à universalidade da marca que posteriormente se transformou em Grupo. Por cá ficou apenas cerca de 2% da produção mundial e da Espanha nem é bom falar…

A oficina de pintura tem capacidade para 18 mil carroçarias por dia

O Grupo criou as marcas: VITESSE, ONIX, QUARTZO, VICTORIA, CITY e COMPASSO, com mais de 70 famílias de modelos e mais de mil versões diferentes. Para tal, o Grupo trabalhava 24 horas por dia, (havia miniaturas que tinham mais de 75 peças diferentes) contando com cerca de 400 pessoas, das quais dois terços foram “recrutadas” na zona em regime de subcontratação. A título de exemplo, a pintura que era assegurada por uma linha mecânica adquirida à extinta Luso-Toys, passou a ser feita numa oficina perto, criada para o efeito, com capacidade para 18 mil carroçarias por dia.

A fase em que as funcionárias da Vitesse ainda não tinham os “olhos em bico”

A rapidez na resposta ás solicitações do mercado, aliada à qualidade, fez nascer uma nova vocação no Grupo, que iria absorver mais de um quarto das encomendas: os modelos «Promocionais».

A Régie Renault em décadas anteriores teve um acordo exclusivo com a Dinky Toys francesa, em que sempre que era feito o lançamento mundial de um novo modelo a miniatura aparecia em simultâneo. Para tal a fábrica partilhava com o fabricante de miniaturas os planos (que ficavam no segredo dos Deuses) até ao lançamento. Pois bem, décadas depois a história repetiu-se cabendo esse prestígio e responsabilidade à nortenha Vitesse.

Fizeram-se mais de 50 versões deste modelo, sendo o mais procurado o “Herbie”

As “estrelas da companhia” em termos de vendas, foram como é óbvio os modelos mais populares. VW carocha, Citroën 2CV, Mini, todos com mais de cinquenta versões diferentes.

A Vitesse também produziu este Chrysler “Town & Country” de 1947. Curiosa a comparação com este modelo verdadeiro, numa rua de Paris, com matrícula portuguesa

As séries limitadas e promocionais serão, num futuro próximo, as mais procuradas, visto as suas edições não ultrapassarem as cinco mil unidades. Mas, o segredo está na …caixa. É lá que reside a “certidão de nascimento “ da miniatura, para memória futura…

Destes Citroën DS19, de 1960-61, fizeram-se 2.500 unidades cada

 

Texto: Álvaro Silva
toyto@netcabo.pt

Espero que tenham gostado e desfrutem com o mesmo prazer e alegria com que eu partilho convosco mais este “pequeno” momento…

Abraço com muito carinho de Portugal para todos vós.

Ana Maria Thomä
amthomae@gmail.com